CF: Endless (Quetsya)

em sábado, 15 de outubro de 2016 |

Olá, amora!
Desculpe pela demora para entregar seu pedido. Estou até a testa de coisas da faculdade pra fazer. 
Bom, fiz a crítica de coração e espero que goste.
Lembrando que nada dito aqui tem como intenção ofender o autor. 


A evolução das leis declaradas pela Clave tem surtido efeitos positivos em todo o mundo unindo nefilins ao seres do submundo em prol da humanidade. Porém uma ameaça em potencial faz com que todos os lideres comecem a se questionar sobre as decisões tomadas durante todos os séculos já passados. 
A nova geração de caçadores de sombras é de longe a mais promissora. Para Adalind Herondale sua vida de caçar demônios não era totalmente emocionante. Ela se sentia sozinha e quando seu irmão decide tornar seu grande amigo de infância seu parabatai ela se sente dividida entre dois amores. Enquanto isso Max Lightwood-Bane lutava para se sentir seguro em sua própria pele ao mesmo tempo em que treinava para se tornar um grande feiticeiro. George Ligthwood ia contra seu próprio coração e viu as coisas se tornarem mais difíceis a partir do momento em que se mudou para o Instituto de New York. William Herondale amava a todas as mulheres, tinha um jeito de se comportar um tanto devasso e rebelde, mas possuia uma forte ligação com sua irmã gêmea e a protegeria com a sua vida... E também protegeria seu parabatai. 

Aparência (Capa + Sinopse): 3,0
Capa (1,5)
Eu gostei muito de como o cabelo da protagonista está realçado na capa. Ela se destaca em meio aos tons de cinza — cores são meu forte e minha parte favorita de avaliar, como deve ter notado. Para ser honesta, não achei tão interessante as frases. Tenho preferência por objetividade. Essa é um pouco longa. 
Fiquei curiosa pra saber quem são os rapazes no fundo. Me conte depois!
Nota: 1,2 

Sinopse (1,5)
“... que todos os lideres comecem…”
“... que todos os líderes comecem…”

“...rebelde, mas possuia uma forte...”
“...rebelde, mas possuía uma forte...”

Para mim, você começou muito bem a sinopse, estava realmente interessante, porém se perdeu no caminho. 
A partir de um ponto, passou a ser uma espécie de resumo. Há muitas informações que julgo desnecessárias no momento. Prolongar-se demais, torna sua sinopse pesada. 
A falta de vírgulas prejudica também e, além disso, faltou aquele tom de mistério que faz com que o leitor pare para ler sua fanfic. 
Juntamente com a capa, a sinopse é responsável por dar leitores a história, por isso deve ser bem estruturada. 
Nota: 0,5
Aparência: 1,7
Ortografia (4,0)
“O som da sirene dos carros da policia…”
“O som da sirene dos carros da polícia…”

“- Espero, pelo anjo, que seja algo muito importante Will. – Responde a mesma impaciente. Seu irmão sorri, parecendo muito divertido.”
Sobre o trecho acima, tenho alguns comentários a fazer. Esses servirão de base para os demais diálogos. 

♦ Em primeiro lugar, utilize sempre travessão para indicar falas diretas e isolar termos; 
♦Em segundo lugar, sempre isole o vocativo — a quem o falante se dirige —  com vírgulas;
♦Em terceiro lugar, opte por utilizar letra minúscula após o segundo travessão;
♦Finalmente, nunca utilize “mesmo/a” referindo-se a pessoas. 

“—  Espero, pelo anjo, que seja algo muito importante, Will. — ela responde impaciente. Seu irmão sorri, parecendo muito divertido.”

“... capaz de cuidar disto sozinha.”
“... capaz de cuidar disso sozinha.”

Utilize isto, esta,estes e seus respectivos plurais, quando referir-se algo que ainda não disse. 

Ex: O que me incomodava nele era isto: a vaidade extrema. 

Utilize isso, essa, esses e seus respectivos plurais, quando referir-se a algo dito anteriormente.

Ex: A vaidade extrema, era isso o que me incomodava nele. 

“– Ele falava com muita tranqüilidade…”
“— ele falava com muita tranquilidade…”


“- Obrigado pelo conselho…”
“— Obrigada pelo conselho…”

“– Porque será que vocês…cansativo?”
“– Por que será que vocês…cansativo?”
No início de perguntas diretas utilize o porquê separado e sem assento.

“O ultimo vampiro estava…”
“O último vampiro estava…”

“– Acabei esquecendo-se de…”
“— Acabei esquecendo-me de…”

“...caçadores de sombras tão forte…”
“...caçadores de sombras tão fortes…”

“Clary junta às mãos sem…”
“Clary junta as mãos sem…”

“...tão confuso quanto à irmã…”
“...tão confuso quanto à irmã…”

“...extremamente visiveis naquela…”
“...extremamente visíveis naquela…”

“— Sai dai de uma vez!”
“— Sai daí de uma vez!”

“Retribuio seu abraço com felicidade.”
“Retribuo seu abraço com felicidade.”

“... incrivelmente possuia muito dos dois.”
“... incrivelmente possuía muito dos dois.”

“...sobre sua viagem a Italia…”
“...sobre sua viagem a Itália…”

“Aquela era sua marca demoniaca.”
“Aquela era sua marca demoníaca.”

“...alguns livros que gostavamos…”
“...alguns livros que gostávamos…”

“...revelando as orbitas de um preto profundo.”
“...revelando as órbitas de um preto profundo.”

“Max arquea a sobrancelha…”
“Max arqueia a sobrancelha…”

“... sobre tudo que viu por ai.”
“... sobre tudo que viu por aí.”

“... esforçando para tentar enxerga-lo.”
“... esforçando para tentar enxergá-lo.”

“... uma garota muito bonita –  do tipo que faria caras normais brigarem e se matarem para ter – e aparentava
 não ter noção disto. 
“... uma garota muito bonita — do tipo que faria caras normais brigarem e se matarem para ter — e aparentava não ter noção disso. 

“... noite anterior de no inicio da manhã.”
“... noite anterior de no início da manhã.”

Bom,eu gostei da maneira como você escreve. É leve, mas nem por isso muito comum. Você tem um bom vocabulário. Entretanto, os erros ortográficos são muito frequentes. Na lista de equívocos acima, em alguns casos, fiz breves comentários. Esses referem-se aos erros mais frequentes: utilização incorreta do hífen, meia risca e travessão; falta de acentuação recorrente, utilização incorreta do isso,esse,essa,isto,este e esta; pontuação incorreta em falas; falta de vírgulas no texto todo. 
Eu fiquei um pouco confusa em alguns trechos pela falta de vírgula. Além disso, você colocou algumas frases em negrito e confesso que não entendi bem o porquê. Há também um outro detalhe que gostaria de comentar. Relacionado ao travessão, no segundo capítulo — li os três primeiros, como de costume — a utilização do travessão nas falas foi feita corretamente e nos demais não. Isso me confundiu. 
Sinto que você precisa da ajuda de uma beta, ou, ao menos revisar melhor os capítulos.
Nota:1,7
Crítica final (3,0)
Gostei bastante do seu enredo. Achei super interessante você fazer uma história onde a protagonista é filha da Clary e do Jace. Me apaixonei pelo Max, não sei ao certo o motivo. Torço para que ele e Adalind sejam um casal (shippo). Mas independente da personalidade dos personagens e do seu enredo, não posso deixar de comentar uma coisa que me incomoda bastante, mas que até eu já fiz muito: narrar no presente. Sei que talvez faça parte do seu estilo, todavia, particularmente, prefiro narrações no passado. Parece que a sonoridade é melhor. Este é apenas um conselho que você pode ou não seguir, sem problemas: procure utilizar mais o pretérito. Notei que você mistura os dois tempos verbais e isso pode não apenas ser incômodo, mas também atrapalhar a compreensão do seu leitor. 
Nota:2,5
Nota Final: 5,9

2 comentários:

Thays Silva disse...

Olá. Muito obrigado pela crítica!
Sobre a falta de travessão no início, bem eu escrevia no iPad por estar sem PC. Na época não dava para colocar o travessão quando se escrevia no bloco de notas. Depois que eu recuperei meu pc tudo voltou ao normal rs Os erros ortográficos realmente passam despercebidos por mim em alguns momentos. Tentarei corrigi-los.
E a parte de narração no passado... Não é obrigatório narrar no passado. Apesar de escrever em terceira pessoa faço isso apenas para mostrar de forma ampla todos os personagens e não focar apenas em um. No geral muito obrigado pela ajuda!

HeyLife disse...

Foi um prazer.
Sobre narrar no passado, realmente não é obrigatório, mas tem que tomar cuidado. Em alguns momentos você misturou as dois. E como eu disse é uma preferência muito minha mesmo.